Litteratura
Version imprimable de cet article Version imprimable

Página inicial > Século XX > Fernando Pessoa (1888-1935) > Esoterismo > Pessoa: OS HERMÉTICOS

ROSEA CRUZ

Pessoa: OS HERMÉTICOS

Seleção do espólio do autor por Pedro T. Mota

sexta-feira 1º de agosto de 2014

Fragmentos dos escritos do espólio de Fernando Pessoa, organizado por Pedro T. Mota, sobre o tema «ROSEA CRUZ».

54 A 13 (m) O Desconhecido.

Exotéricas — Ciência.

Esotéricas — magia.

Herméticas —

Os esotéricos percebem a origem das coisas segundo a sua representabilidade do mistério para a alma humana. Os herméticos fora já de toda a compreensibilidade. Veem não já os símbolos mas as coisas. Para os gnósticos ainda a verdade aparece no seu símbolo vivo, não morto (como para os exotéricos). Para os herméticos é a verdade pura que é revelada.


53B-54 Rosa Cruz. (O Desconhecido)

Há três ordens de ciência: a da vontade, a da inteligencia, a da emoção. A intuição é a inteligencia da emoção. Mas a emoção pura — eis a ciência.

A ciência antiga era da casta dos sacerdotes. Os símbolos religiosos basilares — não confundir com acumulações sociais — são realmente conscientemente símbolos, produtos da consciente e ciente casta sacerdotal.

As magias: a deceptiva (prestidigitação).

O mistério (que é tudo) não é compreensível senão à emoção. A inteligencia não pode compreender o Mistério.


144D2 — 137 (m) O Desconhecido

Os herméticos, esotéricos e exotéricos

O exemplo da astrologia. As 3 maneiras. Duas crianças nascidas no mesmo lugar ao mesmo tempo. O como se faz a «diferença» é esotérico. O porquê é hermético.

Aparelho para cair prédios é esotérico. O como eles cairão, disporão das pedras no cair (nota do que acontece no fim) é hermético.

Exotérico — a ciência Esotérico — o ocultismo Hermético — o hermetismo

Todos os movimentos sociais, tudo no mundo está nas mãos dos herméticos. Todo o universo como o concebemos é criação dos Herméticos. Isto escapa à mais alta imaginação filosófica. Mas é como eu vos digo. Eu mesmo se vos digo isto, é que desconheço a vontade hermética de cuja existência apenas sei.


Ver online : Fernando Pessoa