Litteratura
Version imprimable de cet article Version imprimable

Página inicial > Século XX > Fernando Pessoa (1888-1935) > Filosofia > Pessoa: O PENSAMENTO IDEALISTA

A Filosofia no Tempo.

Pessoa: O PENSAMENTO IDEALISTA

António Quadros (org.)

domingo 27 de julho de 2014

Excertos do livro organizado por António Quadros, "A procura da verdade oculta". A Filosofia no Tempo.

O que é característico no Idealismo não é tanto o querer-se procurar fora da matéria uma causa da causa do universo. Para o idealista o que importa é procurar uma explicação do universo que seja também uma explicação do valor moral da vida humana.

Para o Idealismo Objetivo o que é de real no universo é qualquer coisa idêntica a uma coisa do espírito, e.g. Mônada. Leibnitz.

Para o Idealismo Subjetivo tipo sistema de Berkeley. Para Berkeley o mundo é o conjunto das nossas sensações.

Idealismo Transcendental. Para Kant a realidade é o que conhecemos, é matéria dada pela sensação. Forma imprimida pelo espírito.

O conceito é por um lado uma conclusão que o entendimento tira, unidade extraída pelo entendimento da multiplicidade das sensações.

A ideia de Espaço, de Tempo para Kant uma forma a priori.

Há na razão alguma coisa superior ao entendimento. Idealismo Transcendental é uma transição entre o Idealismo Objetivo e o Idealismo Subjetivo.

Realismo: Dualista: Descartes, Aristóteles. Monista: Spinoza.

A matéria só vale tanto quanto é explicada pelo espiritual.

Materialismo: tudo matéria ou forma da matéria.

Quando Descartes achou substância corpórea extensa e espiritual.

Nada existe senão um ser que tem duas formas como extensa e pensante.

Problema moral: 2 meios de resolver este problema.

Moral é heterônoma ou autônoma.

Se procurarmos [?] regrar nossa ação em autoridade externa — seja vontade social — Deus — heterônoma.

Procura-se, às vezes um princípio inerente à natureza humana imanente ou idêntico a qualquer outra faculdade para comunicação com alguma coisa transcendente. [...]

O homem não pode conhecer o bem e praticar o mal. Sócrates e Platão. A verdade (Sócrates) é a ciência, O mal é uma ignorância ou um erro.

Há ideias puras e há ideias cheias dum elemento sentimental visto sentirmos certa entelecheia — ser vivo. Se assim é não devia haver ninguém mau. Por ex. um soldado atraiçoa sua pátria. Se lhe dissessem que o não fizesse, deixaria de o fazer?

Não. Mas precisa desenvolver-lhe a vontade.

Há precisão de alguma coisa não volúvel.

Imperativo categórico da razão prática.

Conformidade da ação com o ato universal. (Kant.) Faz o bem pelo bem.

Schopenhauer. A vontade é a única coisa que pode aproximar-se do Bem Absoluto. É tanto mais moral uma ação quanto aproxima a humanidade presente da humanidade ideal.


Ver online : Fernando Pessoa