Litteratura
Version imprimable de cet article Version imprimable

Página inicial > Idade Média > BOOSCO DELEITOSO > Boosco: I - Do homem mezquinho, desterrado e lançado do paraíso (...)

BOOSCO DELEITOSO

Boosco: I - Do homem mezquinho, desterrado e lançado do paraíso terreal

Edição de Augusto Magne

sexta-feira 1º de agosto de 2014

Edição do texto de 1515 por Augusto Magne, com introdução, anotações e glossário.

4. Do homem mesquinho, desterrado e lançado do paraíso terreal e da bem-aventurança do paraíso espiritual, que é a casa da boa consciência, et cetera.

Eu, sendo pecador e mui mesquinho, desterrado do paraíso terreal das mui doces deleitações, polo pecado dos primeiros padres, e lançado em no vale da mesquindade deste mundo, padecia enel muitas coitas e trabalhos e mínguas e tribulações sem conto. E, como quer que fossem grande mal e agravamento a mim, coitado, as pressas corporais deste segre, muito mais era grande a minha tribulação e mesquindade porque a minha alma era desterrada do seu paraíso espiritual, que hão as almas santas nesta vida, do qual se trespassam ao paraíso celestial.

5. Este paraíso espiritual da alma é a casa da boa consciência, em que é tanta a abondança de paz, que a abastença obedece e serve à castidade, e a devação se acosta à oração; e ali folga a humildade em no temor de Deus, e a pureza há folgança em o amor do Senhor Deus. Ali há limpeza do coração com a paz de Jesu Cristo per alegria, e a fé pura folga em na verdade. Ali a justiça dispõe e ordena todas as coisas brandamente, e a temperança as tempera concordadamente. Ali a sabedoria ensina e a fortaleza afirma e a abstinência desseca toda çugidade de pecado e a esperança conforta e a humildade e a paciência reinam. Ca ali é o reino de Deus e o paraíso, u é o ajuntamento das virtudes; e porém a alma do homem virtuoso é em paraíso espiritual nesta vida presente.

6. Deste paraíso mui deleitoso era eu, mesquinho, desterrado, e lançado em na profundeza do lixo (2, b) dos pecados, ca em na minha alma não era paz nem assessêgo; mais era movida e abalada com os movimentos turvos da carne, e eu queimado era com as chamas dos acendimentos carnais, e movediço era a todo odor luxurioso. O meu esprito era derribado e abaixado só a carne, sem orvalho de limpeza; a minha carne era faagueira às deleitações carnais e desobediente aos usos e trabalhos espirituais e ajudador dos meus contrários.

7. Afastado era do assessêgo divinal, movediço às injúrias que me fizeram e com toda perseguição. Não havia firmeza da mente em nenhuma coisa de boa-andança nem de contrairá. Em tal guisa era o meu estado, que me parecia que jazia em o inferno; pois já começava de sentir aqui, em esta vida presente, as penas infernais e todo era cercado de mui grandes trevas, que estavam e andavam sempre arredor de mim, em guisa que me parecia que sempre estava em lugar trevoso.


Ver online : BOOSCO DELEITOSO