Litteratura
Version imprimable de cet article Version imprimable

Página inicial > Século XX > Fernando Pessoa (1888-1935) > Filosofia > Pessoa: A FILOSOFIA E OS CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DAS CIÊNCIAS

Textos filosóficos e esotéricos

Pessoa: A FILOSOFIA E OS CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DAS CIÊNCIAS

António Quadros (org.)

domingo 27 de julho de 2014

Excertos do livro organizado por António Quadros, "A procura da verdade oculta". Textos filosóficos e esotéricos.

Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência.

É só no ponto de vista mais genérico que podemos classificar as ciências. Quando a classificação é para um certo fim, quer prático, quer científico, há-de ser necessariamente arbitrária (filosoficamente) e variável com o fim para que é feita. O botânico, o jardineiro precisam cada um deles de uma classificação diferente das plantas.

Há a classificação por diferenciação, por ordem; e a classificação por hierarquia, em que não se trata só de ordem, mas em que as ciências são classificadas de maneira que umas sejam filhas das outras. Assim a classificação mais hierárquica dos animais seria a do darwinismo. Em história natural classificam-se as produções constantes da natureza.

Para classificar as ciências é preciso primeiro procurar um critério ou nas funções intelectuais, na força das faculdades criadoras (produtoras das ciências), ou na própria disposição das criações já feitas. A classificação é subjectiva ou objectiva. Se quiséssemos classificar as artes «mo já criadas seria diferente de as classificar segundo a imaginação que se assimila coisas externas e se identifica temporariamente com elas.

Uma coisa é classificar coisas já feitas ou de as classificar como se elas fossem para fazer.

Até Auguste Comte as classificações eram subjectivas [...]

As classificações anteriores a Comte têm um interesse puramente histórico, mas é bastante, pois no mostram as reações que a filosofia teve com as ciências e que teve e continua a ter com a (...) Há, primeiro, a escola platônica e aristotélica. Uma classificação impõe-se não só quando o número de objetos aumenta (...)

Em toda a classificação há um trabalha que podemos chamar trabalho de história natural, e outro de ciência natural. A história natural é puramente descritiva (Botânica e Zoologia), põe por ordem os fatos.

Em psicologia, por ex., uma coisa é a história natural da alma, outra fazer a ciência da alma. Quando muito pode [1] mostrar que uns fatos nascem de outros.

Se da ordem exposta se vê alguma coisa quanto [à] gênese dos seres vivos (no exemplo mais acima), já deixa de haver história natural. A ciência natural começa onde acaba a história natural.

Todas as classificações anteriores a Auguste Comte são histórias naturais. Há, em primeiro lugar, as escolas platônica e aristotélica.

PERCEPÇÃO
=Física
(Física e Psicologia)

RAZÃO
=Dialética
(Analítica = Lógica formal; Metafísica)

VONTADE
=Ética
Praxis Ética
Poiesis Política
Ciência poética
Poética e retórica

Nas três ciências sublinhadas pára a classificação dos platônicos.


Ver online : Fernando Pessoa


[1Isto é, a psicologia como história natural